Cultura

Dica de Seriado: The Handmaid’s Tale

Pensem em uma série que eu todos deveriam assistir: essa é The Handmaid’s Tale, baseada no livro O Conto da Aia (essa é a tradução do título em português), publicado em 1985 por Margaret Atwood. Criticamente aclamada, “varreu” o Emmy Awards e levou os prêmios de melhor série dramática, melhor atriz em série dramática (Elizabeth Moss), melhor atriz coadjuvante em série dramática (Ann Dowd), melhor atriz convidada em série dramática (Alexis Bledel), melhor direção e melhor roteiro. Ufa!

A série é ambientada em um futuro distópico, em um Estados Unidos que não é mais Estados Unidos. É totalmente impactante e chocante, mesmo – para vocês terem noção, eu não conseguia assistir episódios seguidos! Handmaid’s Tale te faz pensar e refletir, por isso é tão importante.

Elizabeth Moss (June) e Alexis Bledel (Emily) – maravilhosas!

Depois de um golpe de estado, um território dos Estados Unidos se tornou a República de Gilead, governada por um regime totalitário e dominado pela religião. Nessa nova ordem social, as mulheres não tem permissão para trabalhar, possuir propriedades, andarem sozinhas e nem mesmo a ler. Elas perdem seus nomes, suas identidades e seus próprios filhos. Por conta de uma crise de fertilidade mundial, os líderes de Gilead dividiram as mulheres em castas: uma delas são as das chamadas aias (ou handmaids), mulheres férteis que se tornam meras reprodutoras e tem a função de servir a uma das famílias poderosas e dar-lhes um filho. Uma vez cumprido o “ritual”, elas vão a outra casa, e assim por diante.

June, interpretada pela incrível Elizabeth Moss, se torna uma das aias – agora o nome dela agora é Offred (Of Fred, ou “do Fred”, nome de seu mestre) e a história é contada sob o ponto de vista dela, por meio de flashbacks. June tinha um marido e uma filha que foram tirados dela, e agora ela tem que lutar para sobreviver em Gilead e, por mais que tentem fazê-la esquecer, lembrar-se constantemente de quem ela é. Mais do que um drama, Handmaid’s Tale é uma história de resistência.

 

As atuações, os diálogos, a fotografia, tudo na série é muito bem pensado. O tema, não preciso nem dizer o quanto é relevante: o que mais choca na série é que tudo se passa hoje, no tempo atual. E será que é assim tão diferente da realidade? Repressão das mulheres, totalitarismo, patriarcado… podemos encontrar paralelos aqui no Brasil, na Europa, no Oriente Médio, nos Estados Unidos.

Enfim, assistam a série! Nos Estados Unidos, ela é transmitida pela plataforma de streaming Hulu, que infelizmente ainda não está disponível no Brasil. No Brasil, ela será exibida pelo Paramount Channel no início de 2018.

Beijos,

Luisa

05 out 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Moda, Cultura

Dica de Série: Girlboss + Mood no iLove

Oi, gente! No momento eu estou, igual muita gente, louca para assistir a série 13 Reasons Why do Netflix (quem aí está assistindo?) e já super animada para a estreia de Girlboss, no próximo dia 21. Inspirada no livro best seller autobiográfico de mesmo nome – que eu li e amei, super indico! – de Sophia Amoruso, fundadora do e-commerce de roupas e acessórios Nasty Gal, a série terá 13 episódios e foi produzida por ninguém menos que Charlize Theron.

 

A série é centrada em Sophia, interpretada pela atriz Britt Robertson, que tem uma paixão por moda e começa a vender roupas vintage customizadas no Ebay. A partir daí, constrói um império multimilionário da moda – a Nasty Gal – detalhe, com apenas 28 anos! Podem esperar figurinos incríveis e muito empoderamento feminino em Girlboss!

Aproveitando essa vibe Girl Power, meu e-commerce queridinho iLove fez uma curadoria especial no #mood Girl Bosses com mulheres super inspiradoras do momento: Leandra Medine, Emily Weiss e a própria Sophia Amoruso. Tem um look mais incrível que o outro, olhem só meus preferidos:

 

Camisa Adrien Cris Barros | Saia plissada AMARO | Brinco Croma Lool

Blusa tricô Costume | Jeans pantalona Levi’s | Sandália Lace-up Arezzo

Gostaram? Não esqueçam de conferir mais peças incríveis (tem até objetos de decoração) no mood Girlboss do iLove! 

Beijos,

Luisa

07 abr 2017
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

Viagens, Livros, Lifestyle, Cultura

Livrarias incríveis ao redor do mundo

Apesar de eu ter me rendido à tecnologia do Século XXI e agora tenho um Kindle, continuo completamente apaixonada por livrarias – minha família até tira sarro de mim quando estamos viajando ou aqui em Londrina mesmo (amo a Livraria da Vila <3), porque não resisto em passar perto de uma e não dar uma entradinha, haha! Quem aí também é assim?

Existem várias livrarias incríveis ao redor do mundo que são verdadeiros pontos turísticos e super valem a visita para quem estiver de passagem pelo lugar! Dei uma pesquisada e elegi minhas preferidas:

El Ateneo, Buenos Aires – Argentina

Passagem obrigatória para quem estiver em Buenos Aires, a livraria El Ateneo Gran Splendid, construida em 1919, já foi um teatro (palco de shows históricos de tango) e um cinema. Hoje, conserva quase todas suas características originais e o palco foi transformado em um café.

Livraria Lello, Porto – Portugal

Esta livraria, aberta em 1906 pelos Irmãos Lello, é considerada uma das mais famosas e bonitas do mundo. Sua arquitetura neo-gótica opulenta e rica em detalhes realmente é impressionante! Ah, uma curiosidade: J.K. Rowling, autora de Harry Potter, já morou no Porto e se inspirou na Livraria Lello para criar, entre outros cenários do mundo do bruxo, as escadas de Hogwarts – demais, né?

Libreria El Pendulo, Cidade do México – México

Comprar livros é apenas uma das várias atividades que você pode fazer na Libreria El Pendulo, que tem um conceito de “Cafebrería”: lá, acontecem shows de música ao vivo e de stand-up comedy, leituras de poesia e dá até para beber bons drinks no café!

Shakespeare and Co, Paris – França

Escritores icônicos como Ernest Hemingway já passaram seus dias nessa livraria, aberta em 1951 por George Whitman, especializada em literatura inglesa. Com vista para o Rio Sena, é bem ao estilo francês – charmosa, corredores estreitos, bagunça organizada – e apareceu no filme do Woody Allen, “Meia Noite em Paris”.

Daikanyama T-Side, Tóquio – Japão

Projetada pelo famoso escritório de arquitetura Klein Dytham Architecture (que inclusive ganhou prêmios pelo design), a livraria ultra moderna e uma das mais conhecidas de Tóquio é composta por um complexo de três prédios – tem um café (Starbucks!) e até um lounge bar que fica aberto até às 2 da manhã.

Librairie Avant-Garde, Nanjing – China

Considerada a livraria mais bonita da China – com nenhuma arquitetura extravagante – o lugar já foi um abrigo anti bomba, um estacionamento do governo e uma igreja. Segundo Zhang Xing, o gerente da loja, a leitura na Avant-Garde é uma religião e, sobre transformar um velho estacionamento em uma livraria, disse: “Existe um velho ditado chinês – transforme algo apodrecido em um milagre”.

Boekhandel Dominicanen, Maastricht – Holanda

Essa livraria é, na verdade, uma igreja gótica do Século 13 que foi confiscada em 1794 pelos soldados de Napoleão para propósitos militares e, desde então, serviu para guardar arquivos, tornou-se um armazém e até um local para guardar bicicletas – muito holandês isso – até que, em 2006, um grupo decidiu transformá-la em uma das livrarias mais incríveis do mundo.

Bart’s Books, Ojai, California – EUA

 

Uma livraria a céu aberto, bem ao estilo californiano! Fundada por Richard Bartinsdale em 1964, é um lugar sereno com o propósito de fazer o leitor pegar um livro, sentar no sol e passar o tempo – tem até um lugar próprio para o leitor colocar as moedas quando quer pegar um livro e a loja está fechada!

Libreria Acqua Alta, Veneza – Italia

Luigi Frizzo, dono e criador da Acqua Alta, abriu esse lugar encantador há mais de 10 anos atrás – que, como tudo em Veneza, deve se chegar de gôndola! O ambiente da cidade mais os livros todos coloridos fazem com que a livraria pareça saída de um livro de conto de fadas…

Livraria da Vila, São Paulo (Alameda Lorena, 1731)

A Livraria da Vila na Alameda Lorena, em São Paulo, tem um lugar especial no meu coração! Já passei tantas horas lá que nem sei… haha! Quem não conhece, tem que conhecer: o lugar, antes uma casa, foi inteiramente reformado pelo arquiteto Isay Seinfeld e tem três andares (com a seleção de livros mais incrível do mundo), inclusive um porão que foi transformado em um espaço exclusivo para crianças.

Precisamos de cada vez mais livrarias no mundo!

Beijos,

Luisa

30 mar 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Filmes, Cultura

Dica de Filme: Lion – Uma Jornada Para Casa

Oi, gente! Antes de ir viajar, consegui assistir quase todos os filmes indicados ao Oscar – e um dos meus preferidos que vi até agora foi Lion, um drama emocionante baseado em uma história real. Como diz o próprio título em português, o filme trata realmente de uma jornada de autoconhecimento em busca da felicidade, de si mesmo, de casa.

Tudo começa quando Saroo (interpretado pelo ator mirim indiano Sunny Pawar, que é a criança mais fofa que eu já vi) se perde de seu irmão mais velho, Guddu, e acaba em um trem que o leva a milhares de quilômetros de distância de sua família. Nas ruas da caótica Calcutá, na Índia, o pequeno Saroo, que não sabe o nome de sua mãe (ele só a chamava de ‘mãe’) e não consegue fazer entender o nome da cidade de onde veio, tenta sobreviver nas ruas e acaba sendo adotado por uma família australiana.

Depois de mostrar toda a trajetória de Saroo até sua adoção, o filme salta alguns anos e mostra o pequeno menininho já crescido, agora interpretado por Dev Patel (ele ganhou uma indicação ao Oscar por ator coadjuvante) e sua vida na Austrália, com seus amorosos pais – a mãe, Sue, é interpretada por Nicole Kidman, que também foi indicada ao Oscar e está em uma de suas melhores atuações dos últimos tempos – e seu irmão Mantosh, também adotado. Mas Saroo não se sente completo e, apenas com lembranças de sua infância e uma bela de uma ajuda da tecnologia, vai atrás do caminho de sua casa e de sua família biológica.

 

O longa também chama atenção de uma triste realidade: Saroo é uma das 80 mil crianças que desaparecem por ano na Índia. É impossível não se comover e não se emocionar com Lion – ah, no final do filme vocês vão descobrir o por quê deste nome…

Beijos,

Luisa

24 mar 2017
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

1 2 3 14