Viagens, Itália, Lifestyle

Hotel em Roma: G-Rough

Roma é minha cidade preferida da Europa – já fui várias vezes para lá, mas o hotel que fiquei na minha última estadia na cidade eterna foi, sem dúvidas, meu preferido! O G-Rough é um hotel boutique localizado em um palazzo do Século 17, super charmoso e cheio de história. Fiquei encantada!

O conceito do G-Rough é super diferente: o hotel tem apenas 10 quartos, cada um com uma decoração diferente em homenagem a icônicos designers italianos do Século 20. É uma mistura de moderno com rústico, com detalhes em madeira, chão com mosaicos e paredes envelhecidas – tem até um quarto com afrescos originais do Século XVI. É tudo muito cool e ao mesmo tempo super aconchegante… me senti em casa!

A localização também é perfeita, bem no centro histórico de Roma. O G-Rough fica na Piazza Pasquino, que fica ao lado da Piazza Navona e a um pulo do Pantheon. O legal é que, nos arredores, tem umas ruazinhas estreitas com ótimos restaurantes, lojinhas diferentes e gelaterias – o staff do hotel, que é super solícito, pode dar ótimas dicas (menos turísticas) e programar tours mais inconvencionais. Para quem tiver coragem de dirigir no trânsito caótico de Roma, dá até para alugar uma Vespa!

Cool, rústico, moderno e super aconchegante!

Outro lugar imperdível no hotel é o G-Bar, que tem uma decoração super descolada – e bomba, até o romanos vão ali no final da tarde para tomar o famoso aperitivo (ou happy hour, para nós). Ah, o café da manhã é também dos deuses: tem uma cozinheira que prepara o que você quiser, na hora!

Amei o G-Rough, é bem o tipo de hotel que eu gosto, sabem? Estou amando ficar nesses hotéis menores, com poucos quartos e mais descolados! Super recomendo 🙂

Piazza di Paquino 69, 00186 Roma

Preço: em média, 300 euros/diária (o preço varia conforme a época).

Beijos,

Luisa

19 abr 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Itália, Lifestyle

Hotel em Florença: Antica Torre di Via Tornabuoni

Oi, gente! Durante minha estadia em Florença – uma das minhas cidades preferidas da Itália – fiquei hospedada no Antica Torre di Via Tornabuoni e super recomendo! Como o nome diz, o hotel é realmente uma torre da época medieval anexada a um palácio, construído na metade do século XIII. O lugar respira história, como tudo na cidade!

Vista incrível do meu quarto para o Rio Arno <3

O Antica Torre é um hotel boutique que fica bem no coração do centro histórico de Florença, na Via Tornabuoni, que é, na minha opinião, uma das ruas mais bonitas da cidade – além de ser linda, lá tem todas as melhores lojas… vale a pena dar uma passeada, nem que for só pra olhar as vitrines, haha! Ele fica a 7 minutos de caminhada do Duomo, 5 minutos da Ponte Vecchio e 10 minutos da estação de trem Santa Maria Novella, ou seja, a localização é a mais perfeita impossível.

Os quartos são super charmosos e aconchegantes, cada um com uma decoração diferente, e tanto o quarto como o banheiro são super espaçosos e novos – quem já foi para a Europa sabe o quanto é difícil achar hotéis menores com quartos que não sejam minúsculos! Mas o melhor de tudo é a vista: dependendo de onde você ficar, você poderá ver ou o Rio Arno (que foi o meu caso) ou o Duomo da sua janela – nada mal, né?

Fiquei nesse quarto, que é a Suíte Deluxe – super charmoso, novo e espaçoso!

O terraço do hotel também é um show a parte e conta com um bar com uma vista panorâmica de toda a cidade de cair o queixo – perfeito para fazer um happy hour tomando um vinho, vendo o pôr-do-sol… tem coisa melhor? Durante o verão, o café da manhã (que é super completo e uma delícia) também é servido lá.

Ah, o staff do hotel é jovem e super solícito e o concierge dá várias dicas ótimas de passeios e de restaurantes! Enfim, adorei minha estadia e minha experiência no Antica Torre, recomendo de olhos fechados 🙂

Via Tornabuoni 1, 50122 Firenze

Preço: em média, 300 euros/diária (o preço varia conforme a época).

Beijos,

Luisa

05 abr 2017
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

Viagens, Itália

Dica de restaurantes em Roma

Oi, gente! Fomos em restaurantes tão maravilhosos em Roma (para quem quiser ver detalhes, vejam os vlogs diários da viagem – filmei tudo!) que não podia deixar de fazer um post aqui no blog também! Roma é uma das minhas cidades preferidas do mundo e uma das suas melhores coisas é, claro, a comida – o spaghetti a carbonara, o cacio e pepe (molho de macarrão com um queijo típico de lá e pimenta) e a alcachofra frita são apenas algumas das delícias típicas da cidade!

Settimio all’Arancio: eu vou nesse restaurante desde a primeira vez que fui para Roma! Ele fica perto da Piazza di Spagna (daquelas famosas escadarias), o centro de compras da cidade. É legal dar uma voltinha por ali e parar no Settimio para almoçar! O ambiente é acolhedor, os garçons são super simpáticos e a comida é uma delícia (com preço ótimo) – desta última vez, comi um spaghetti ao vôngole dos deuses! Via dell’arancio, 50

Armando Al Pantheon: também fui nesse todas as vezes que visitei a cidade e nunca me decepciono! O local do Armando é estratégico, pertinho do Pantheon, e o lugar é bem pequeno – faça reserva com bastante antecedência, o restaurante já ganhou vários prêmios e é bem concorrido! A entrada com mozzarella de búfala com alcachofra e a carbonara são de comer rezando! Ah, se tiver mais um espacinho vale pedir também a saltimbocca alla romana, carne de vitela com presunto de parma e sálvia. Salita dei Crescenzi, 31 

Per Me: nada melhor do que restaurantes bem tradicionais de comida Romana, mas para mudar um pouco decidimos também ir a esse restaurante que acabou de ganhar uma estrela Michelin – a comida é bem mais sofisticada e focada no mar, sem nunca esquecer os elementos da culinária local. Pedimos o menú degustação e experimentamos pratos bem polêmicos (intestino de peixe, por exemplo! Haha!), mas voltaria mil vezes! A carbonara do mar, releitura da clássico carbonara com bottarga e queijo parmigiano, foi meu prato preferido! Vicolo del Malpasso, 9

Salumeria Roscioli: essa salumeria é uma famosa e antiga delicatessen que tem um restaurante nos fundos – o local é bem descontraído, bem legal para ir jantar! Pedimos salames e burrata de entrada (incrível!) e eu ousei no prato principal: fettuccine com funghi porcini, lascas de queijo parmigiano e bacalhau! Combinação inusitada que deu certo… Via dei Giubbonari, 21/22

Isola d’Oro: indicação maravilhosa da minha amiga Elizabeth, que mora em Roma há anos, o restaurante fica em um bairro afastado, nada turístico. A especialidade do Isola d’Oro são frutos do mar: as entradas são imperdíveis, mas não deixe de pedir de prato principal o orecchiette (massa típica do sul da Itália) com creme de tartufo, flor de abóbora, lagostim e bottarga – meu prato preferido de toda a viagem! Via Salaria, 180

La Gatta Mangiona: pensem na melhor pizza que você poderia comer na sua vida e multiplique por mil. A pizzaria fica em um bairro residencial de Roma e é bem famosa entre os locais! O lugar é super simples e barulhento, bem italiano mesmo, mas se prepare em pirar com a infinidade de sabores de pizzas, uma mais maravilhosa que a outra! De entrada, peça os famosos “fritti” (o croquete com ricota e espinafre é especial). Via Federico Ozanam, 30

Baccano: localizado no centro da cidade, o Baccano é outro restaurante de Roma que não canso de voltar! Ambiente ótimo, bom atendimento e menú cheio de opções maravilhosas… Via delle Muratte, 23

Beijos,

Luisa

15 fev 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Lifestyle

Viagem para Cuba – Principais Dúvidas

dia1 (6 of 15)Havana:

Onde ficar: Na minha opinião, os hotéis em Havanas são caros e antigos, ou seja, não tem bom custo-benefício. O melhor lugar para se hospedar em Havana são as chamadas casas particulares, que são muito populares por lá: são casas de cubanos que alugam quartos para estrangeiros. Na minha opinião, é uma forma mais autêntica de conhecer a cidade e os cubanos, além de ser bem mais barato (em média de 30 CUCS por dia o quarto, enquanto os hotéis chegam até a 300 CUCS). Eu me hospedei na Casa de La Concordia, que na verdade é um tipo de pensão, já que os donos da casa não moram lá. Adorei a experiência! O meu quarto era extremamente limpo, com ar condicionado e banheiro próprio, o café da manhã era super gostoso e o pessoal da casa muito querido!

dia1 (7 of 15) dia1 (8 of 15)

Dinheiro: Em Cuba há duas moedas, uma para os cubanos e outra para os turistas, o CUC, que vale mais ou menos um euro. Sim, o ideal é levar euros e trocar em CUCS ao chegar no aeroporto, já que o dólar não é muito bem vindo por lá – eles cobram uma taxa a mais para trocar doláres por cucs, e você acaba perdendo dinheiro. Não há muitos lugares que aceitam cartão de crédito – na verdade, quase nenhum! – então é bom levar dinheiro mesmo.

Internet: Eu preciso da internet para trabalhar, então paguei o pacote internacional da VIVO de R$29,90 por dia e usei internet tranquilamente. Óbvio que não era uma internet muito boa, não dava para ver vídeos e abrir sites com muitas fotos, mas deu para fazer o básico: ver emails, falar no whatsapp e postar no instagram. Para quem não quer usar o serviço da operadora, existem alguns lugares em Havana com wifi – hotéis, praças – daí é só se informar, ir até o lugar mais próximo e comprar um cartão de internet, que custa entre 2 e 5 CUCS a hora.

Vôo: Eu fui para Havana de LATAM, fiz escala em Lima. Há também opções de vôo da COPA, que fazem escala no Panamá.

dia1 (2 of 4)

Visto: É preciso tirar um visto para ir para Cuba, e eu fiz com um despachante – custou uns R$300,00 e demora até 10 dias úteis para ficar pronto. Se você voar de Copa, dá para tirar o visto na hora do vôo!

O que levar? Não esqueça de levar uma nécessaire bem recheada – shampoo – condicionador, cremes, essas coisas existem sim por lá, mas não é tão fácil de achar e as marcas que conhecemos aqui são bem caras em Cuba!

Beijos.

Luisa

18 ago 2016
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

1 2 3 6