Viagens, Itália

Dica de restaurantes em Roma

Oi, gente! Fomos em restaurantes tão maravilhosos em Roma (para quem quiser ver detalhes, vejam os vlogs diários da viagem – filmei tudo!) que não podia deixar de fazer um post aqui no blog também! Roma é uma das minhas cidades preferidas do mundo e uma das suas melhores coisas é, claro, a comida – o spaghetti a carbonara, o cacio e pepe (molho de macarrão com um queijo típico de lá e pimenta) e a alcachofra frita são apenas algumas das delícias típicas da cidade!

Settimio all’Arancio: eu vou nesse restaurante desde a primeira vez que fui para Roma! Ele fica perto da Piazza di Spagna (daquelas famosas escadarias), o centro de compras da cidade. É legal dar uma voltinha por ali e parar no Settimio para almoçar! O ambiente é acolhedor, os garçons são super simpáticos e a comida é uma delícia (com preço ótimo) – desta última vez, comi um spaghetti ao vôngole dos deuses! Via dell’arancio, 50

Armando Al Pantheon: também fui nesse todas as vezes que visitei a cidade e nunca me decepciono! O local do Armando é estratégico, pertinho do Pantheon, e o lugar é bem pequeno – faça reserva com bastante antecedência, o restaurante já ganhou vários prêmios e é bem concorrido! A entrada com mozzarella de búfala com alcachofra e a carbonara são de comer rezando! Ah, se tiver mais um espacinho vale pedir também a saltimbocca alla romana, carne de vitela com presunto de parma e sálvia. Salita dei Crescenzi, 31 

Per Me: nada melhor do que restaurantes bem tradicionais de comida Romana, mas para mudar um pouco decidimos também ir a esse restaurante que acabou de ganhar uma estrela Michelin – a comida é bem mais sofisticada e focada no mar, sem nunca esquecer os elementos da culinária local. Pedimos o menú degustação e experimentamos pratos bem polêmicos (intestino de peixe, por exemplo! Haha!), mas voltaria mil vezes! A carbonara do mar, releitura da clássico carbonara com bottarga e queijo parmigiano, foi meu prato preferido! Vicolo del Malpasso, 9

Salumeria Roscioli: essa salumeria é uma famosa e antiga delicatessen que tem um restaurante nos fundos – o local é bem descontraído, bem legal para ir jantar! Pedimos salames e burrata de entrada (incrível!) e eu ousei no prato principal: fettuccine com funghi porcini, lascas de queijo parmigiano e bacalhau! Combinação inusitada que deu certo… Via dei Giubbonari, 21/22

Isola d’Oro: indicação maravilhosa da minha amiga Elizabeth, que mora em Roma há anos, o restaurante fica em um bairro afastado, nada turístico. A especialidade do Isola d’Oro são frutos do mar: as entradas são imperdíveis, mas não deixe de pedir de prato principal o orecchiette (massa típica do sul da Itália) com creme de tartufo, flor de abóbora, lagostim e bottarga – meu prato preferido de toda a viagem! Via Salaria, 180

La Gatta Mangiona: pensem na melhor pizza que você poderia comer na sua vida e multiplique por mil. A pizzaria fica em um bairro residencial de Roma e é bem famosa entre os locais! O lugar é super simples e barulhento, bem italiano mesmo, mas se prepare em pirar com a infinidade de sabores de pizzas, uma mais maravilhosa que a outra! De entrada, peça os famosos “fritti” (o croquete com ricota e espinafre é especial). Via Federico Ozanam, 30

Baccano: localizado no centro da cidade, o Baccano é outro restaurante de Roma que não canso de voltar! Ambiente ótimo, bom atendimento e menú cheio de opções maravilhosas… Via delle Muratte, 23

Beijos,

Luisa

15 fev 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Lifestyle

Viagem para Cuba – Principais Dúvidas

dia1 (6 of 15)Havana:

Onde ficar: Na minha opinião, os hotéis em Havanas são caros e antigos, ou seja, não tem bom custo-benefício. O melhor lugar para se hospedar em Havana são as chamadas casas particulares, que são muito populares por lá: são casas de cubanos que alugam quartos para estrangeiros. Na minha opinião, é uma forma mais autêntica de conhecer a cidade e os cubanos, além de ser bem mais barato (em média de 30 CUCS por dia o quarto, enquanto os hotéis chegam até a 300 CUCS). Eu me hospedei na Casa de La Concordia, que na verdade é um tipo de pensão, já que os donos da casa não moram lá. Adorei a experiência! O meu quarto era extremamente limpo, com ar condicionado e banheiro próprio, o café da manhã era super gostoso e o pessoal da casa muito querido!

dia1 (7 of 15) dia1 (8 of 15)

Dinheiro: Em Cuba há duas moedas, uma para os cubanos e outra para os turistas, o CUC, que vale mais ou menos um euro. Sim, o ideal é levar euros e trocar em CUCS ao chegar no aeroporto, já que o dólar não é muito bem vindo por lá – eles cobram uma taxa a mais para trocar doláres por cucs, e você acaba perdendo dinheiro. Não há muitos lugares que aceitam cartão de crédito – na verdade, quase nenhum! – então é bom levar dinheiro mesmo.

Internet: Eu preciso da internet para trabalhar, então paguei o pacote internacional da VIVO de R$29,90 por dia e usei internet tranquilamente. Óbvio que não era uma internet muito boa, não dava para ver vídeos e abrir sites com muitas fotos, mas deu para fazer o básico: ver emails, falar no whatsapp e postar no instagram. Para quem não quer usar o serviço da operadora, existem alguns lugares em Havana com wifi – hotéis, praças – daí é só se informar, ir até o lugar mais próximo e comprar um cartão de internet, que custa entre 2 e 5 CUCS a hora.

Vôo: Eu fui para Havana de LATAM, fiz escala em Lima. Há também opções de vôo da COPA, que fazem escala no Panamá.

dia1 (2 of 4)

Visto: É preciso tirar um visto para ir para Cuba, e eu fiz com um despachante – custou uns R$300,00 e demora até 10 dias úteis para ficar pronto. Se você voar de Copa, dá para tirar o visto na hora do vôo!

O que levar? Não esqueça de levar uma nécessaire bem recheada – shampoo – condicionador, cremes, essas coisas existem sim por lá, mas não é tão fácil de achar e as marcas que conhecemos aqui são bem caras em Cuba!

Beijos.

Luisa

18 ago 2016
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

Vietnam, Vlog, Videos

Vlog: Vietnam Parte 1 – Ho Chi Minh

Uhuu, está no ar o primeiro vlog da minha viagem ao Vietnam! Para quem me acompanhou no snap (luisa.accorsi), minha primeira parada foi Ho Chi Minh, antiga Saigon (já fiz post com várias dicas de lá), uma cidade cheia de cultura e com uma culinária maravilhosa!

 

Que delícia compartilhar essa viagem tão incrível e uma cultura tão diferente com vocês! Espero que gostem 😉

Beijos,

19 abr 2016
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Cultura

Islândia

Não sei se vocês lembram, mas uma das minhas metas de 2016 era economizar meu dinheiro para ir a países diferentes, que fogem daqueles roteiros comuns, sabem? Desde que eu fui para o Butão e para a Índia minha mente abriu muito em relação à “destinos exóticos” e ultimamente tenho pesquisado muito sobre esse pequeno e (bem) frio país Europeu: Islândia!

islandia6

O número de turistas que foram visitar a Islândia dobrou entre os anos de 2010 e 2014, o que foi de grande ajuda para que o país saísse da crise econômica que enfrentava desde 2008. O país nórdico encanta por suas inúmeras paisagens naturais, que incluem cachoeiras com água turquesa, vulcões, fiordes, fontes termais, ilhas intocadas e claro – muita, muita neve.

islandia3 islandia1 islandia9 islandia

O clima? Eu achava que seria muito pior! A corrente marítima do Golfo, um fluxo de água quente que sai da América Central em direção ao norte da Europa, faz com que os invernos não sejam tão rigorosos apesar da alta latitude: o litoral sul do país é a região mais quente e a temperatura média na região é de -3°C nessa época do ano. O interessante de visitar o país no inverno, apesar de a luz do dia só durar 4 horas em média (no verão, as noites não existem), é a maior chance de ver o fenômeno da Aurora Boreal #sonho

islandia4 islandia2 islandia5

Reykjavíc (alguém sabe como pronuncia? Haha!) é a maior cidade da Islândia, com 200 mil habitantes e concentra 64% da população do país. É uma cidade charmosa, com ótimos restaurantes e hotéis, cenário de arte e a famosa igreja luterana Hallgrímskirkja (?), que tem uma arquitetura super interessante inspirada no movimento da lava de um vulcão.

islandia8 islandia11 islandia12

A dica é explorar o país de carro – li que é bem fácil de alugar em Reykjavíc, e todos já tem pneus à prova de neve, haha! – e ficar de olho nas condições do tempo, que pode ser bem imprevisível. Curiosidade: sabiam que várias cenas de Game of Thrones são filmadas no país, principalmente as da muralha? #cadêjonsnow

Gostaram?

Beijos,

Luisa

26 jan 2016
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

1 2 3 5