Viagens, Itália, Lifestyle

Dicas de Restaurantes em Roma – Parte 2

Já falei várias vezes que Roma é minha cidade preferida na Itália! Não só pela beleza, cultura e charme meio bagunçado, mas também pela comida, claro – tem carbonara, cacio e pepe, saltimbocca alla romana… uma coisa melhor que a outra! Nesse vídeo que fiz com dicas para quem vai viajar para a Itália falei que cada cidade italiana tem seus pratos típicos, por isso é legal pesquisar antes porque com certeza serão os melhores do restaurante!

Lembrando que já fiz um post com Dicas de Restaurantes de Roma, por isso vou dar a dica desses “novos” que fomos dessa última vez e amamos!

Flavio Al Velavevodetto

Esse restaurante é super simples, bem antigo e serve comida tipicamente romana – ou seja, os clássicos que falei ali em cima. O restaurante não fica no centro de Roma (um fica no bairro Testaccio, onde fomos, e outro em Prati) mas vale super a pena para quem quer comer um dos melhores carbonara/cacio e pepe da vida! A nossa mesa pediu exatamente isso e, de entrada, o famoso “carciofo alla giudia”, ou alcachofra frita. O inverno é a estação da alcachofra, então aproveitamos e comemos em quase todos os restaurantes!

Osteria delle Coppelle

Essa foi uma super dica de uma amiga minha de Roma – o lugar é bem jovem, animado e descontraído, com preços ótimos! Apesar da Osteria ficar no centro da cidade, perto da Piazza Navona, o lugar é super insider e só vimos italianos por lá! Os tradicionais romanos valem super a pena mas o saltimbocca alla romana, carne de vitela bem fininha com presunto de Parma, é especial. Ah, quem estiver animado e quiser esticar a noite, fica a dica: tem um “bar secreto” super bombado ao lado, que você entra pelo próprio restaurante!

*Casa Coppelle: fica ao lado da Osteria e é o primo mais formal e caro também. O almoço tem um esquema bem legal: 2 pratos por 30 euros e tudo estava muito bom!

Marzapane

Adoro ir a restaurantes que tem chefs mulheres (#girlpower) e o Marzapane é comandado pela jovem Alba Esteve Ruiz, espanhola apaixonada pela Itália que já trabalhou no El Celler, número 2 do mundo – lembram que fui no ano passado? É um restaurante refinado, com pratos bem elaborados que mostram bastante essa mistura italiana com espanhola – eu amei muito! Nós pedimos o menú a la carne (tem a opção do menú degustação também) e destaco o gnocchi – minúsculo – com feijão defumado, funghi e cebola e o tortellini recheado de galinha d’angola e molho de queijo – me deu uma fome agora…

Da Brando

Outra dica da minha amiga romana e uma opção zero turística na cidade! O Da Brando fica longe do centro, perto da Ponte Milvio, que é um “point” entre os jovens romanos (a noite fica super animado). O ambiente é descontraído, bem cool, e a comida super gostosa e com preço muito bom – para variar, pedi carbonara e uma mozzarella de búfala frita de entrada (#almoçolight), apenas uma das melhores coisas que já comi!

Ristorante L’Arcangelo

Estávamos com desejo de comer gnocchi, dei uma pesquisada e descobri o L’Arcangelo, que é famoso pelo seu gnocchi all’amatriciana, um molho à base de tomate, bacon e queijo pecorino. Realmente, é de comer rezando! O restaurante fica em uma região menos turística de Roma, do outro lado do rio (relativamente perto do Vaticano) e vale muito a pena para quem quiser dar uma variada nos carbonaras, cacio e pepes etc – não são todos os restaurantes de Roma que tem gnocchi no cardápio! De entrada, pedi o puntarelle (um vegetal muito típico da região!) com lula e polenta… estava muito bom!

Pipero Roma

Foi o restaurante mais chique que fomos na viagem. O Pipero tem estrela Michelin, então o ambiente é super sofisticado, com design clean e moderno e serviço impecável. Pedimos o menú degustação (custou 100 euros por pessoa) com 5 pratos – deu um pouco de medo porque foi uma surpresa, só perguntaram se tínhamos alguma alergia ou se não gostávamos de algum ingrediente – mas deu tudo certo, foi um jantar inesquecível! A cozinha é italiana com alguns toques inovadores, como a carbonara com um pouco de limão e o rigatoni com brócolis romano, linguiça e espuma de queijo pecorino. Incrível!

Beijos,

Luisa

08 fev 2018
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Lifestyle

Dicas de Restaurantes em Lima

Oi, gente! Vocês que me acompanham no Instagram e no Youtube sabem que eu estive no Perú – um país incrível em todos os sentidos! Tem uma beleza natural maravilhosa, muita história e cultura e uma culinária muito rica. Quando pensamos em Perú, pensamos mais em peixes (principalmente ceviche, né? Eu era assim!) mas tem muito mais a oferecer do que isso!

Lima, a capital do Perú, é muito conhecida pelos ótimos restaurantes. Fiz algumas das refeições mais memoráveis da minha vida por lá! Não deixem de anotar as dicas:

Restaurante Central

Comandado pelo chef Virgilio Martinez, o Central é considerado o melhor restaurante da América Latina e o quinto melhor restaurante do mundo. Fazer uma refeição lá é uma verdadeira experiência gastronômica: escolhemos o menu degustação “matter elevations”, que faz alusão aos ingredientes das diferentes altitudes do Perú – do fundo do mar, floresta amazônica até o alto das montanhas. Os 17 pratos (!) utilizam somente ingredientes locais e sazonais, e a apresentação e a combinação dos ingredientes é surreal. Para não esquecer jamais! O valor do menu é, em média, 500 reais por pessoa e o restaurante também oferece opções a la carte. Ah, reservem com bastante antecedência!

Maidô

Para comemorar meu aniversário, queríamos ir a um restaurante mais moderno e descolado, com bons drinks! Escolhemos o Maidô, eleito o melhor restaurante japonês de Lima e o sétimo melhor da América Latina. Achei interessante que ele mistura a culinária japonesa com a peruana – o resultado é realmente incrível! Os sushis e sashimis são feitos com peixes fresquíssimos e eu amei o prato que eu pedi, pato com grãos típicos do Perú. O valor médio, por pessoa, é de R$150,00.

Tragaluz

Também comemorei o meu almoço de aniversário em  grande estilo no restaurante Tragaluz, que fica no Belmond Miraflores Park, hotel que nos hospedamos na cidade. O menu oferece opções para todos os gostos (massas, peixes e carnes) e foi um dos meus restaurantes preferidos da viagem. Destaque para o linguini ao curry com atum – pode parecer uma combinação estranha, mas o sabor é único e maravilhoso! Ah, e eu não poderia deixar de colocar uma foto do próprio restaurante, que também funciona como galeria de arte: eles expõem obras de artistas locais e o ambiente é tão lindo que não dá vontade de ir embora! Para quem gosta de comer ao ar livre, tem também uma área externa super agradável. O preço, em média, é de R$120,00 por pessoa.

La Mar 

Do renomado chef peruano Gaston Acurio, o La Mar (tem filiais em São Paulo, Miami e Santiago) é uma cevicheria com muitas opções de peixes e frutos do mar, mas também oferece pratos vegetarianos. Nós pedimos um trio de ceviches e pratos com peixes e estava tudo uma delícia e muito, muito fresco! O ambiente também é super agradável, tem um clima bem descontraído e praiano. Ah, vale avisar que o La Mar só abre na hora do almoço (horário em que o peixe é mais fresco) e costuma ter fila de espera – nós chegamos por volta das 14h e esperamos 15 minutos. O valor médio, por pessoa, é de R$90,00.

Gostaram das dicas?

Beijos,

Luisa

06 set 2017
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

Viagens

Hotel em Bangkok, Tailândia: SO Sofitel Bangkok

Das viagens que eu fiz esse ano, acho que o lugar mais memorável que eu visitei foi Bangkok, capital da Tailândia. É uma cidade multicultural, vibrante e com uma culinária incrível – enfim, cheia de vida. Me hospedei no hotel SO Sofitel Bangkok e com certeza minha experiência lá contribuiu para eu amar mais ainda a cidade! É um hotel moderno, urbano e luxuoso na medida certa, com um atendimento impecável.

Isso que eu chamo de #roomwithaview <3

A rede Sofitel é francesa, e o SO Sofitel de Bangkok realmente une o luxo francês e a hospitalidade  tailandesa – sério, nunca conheci pessoas tão solícitas e educadas como na Ásia. O hotel foi todo inspirado em 5 elementos, e cada quarto tem uma decoração diferente: ou representa água, terra, metal ou madeira. O meu quarto era metal, todo branco e clean (amo!), que simboliza pureza e modernidade. Cada elemento tem suas próprias características (a madeira, por exemplo, é a elegância e tranquilidade) – muito legal que dá para escolher em qual você quer ficar!

Os restaurantes do SO Sofitel refletem o elemento fogo que, segundo a explicação, dá uma sensação de calor, energia e representa a interação social nos ambientes. Um ponto que me conquistou muito foi o café da manhã, simplesmente um dos melhores da minha vida. Ele era todo dividido em estações – uma da culinária asiática, outra com opções fit, pães… um verdadeiro banquete! Pra completar, o restaurante tem uma vista maravilhosa E fica aberto o dia todo 🙂

Panquecas para o meu café da manhã e uma estação de sorvetes caseiros que era incrível!

A localização do hotel é perfeita, bem no centro da cidade e em frente ao maior parque da cidade, o Lumpini Park. Por causa disso, a vista é de cair o queixo: o contraste entre a modernidade dos prédios e o verde do parque é mais fotogênica impossível! Ah, o SO Sofitel também conta com um SPA, o SoSpa, que eu aproveitei para fazer uma massagem que só os asiáticos sabem fazer, né?

Preço médio da diária: a partir de 250 dólares. 

Espero que eu tenha influenciado algumas pessoas a conhecerem Bangkok, realmente vale muito a pena!

Beijos,

Luisa

22 jun 2017
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Itália, Lifestyle

Hotel em Roma: G-Rough

Roma é minha cidade preferida da Europa – já fui várias vezes para lá, mas o hotel que fiquei na minha última estadia na cidade eterna foi, sem dúvidas, meu preferido! O G-Rough é um hotel boutique localizado em um palazzo do Século 17, super charmoso e cheio de história. Fiquei encantada!

O conceito do G-Rough é super diferente: o hotel tem apenas 10 quartos, cada um com uma decoração diferente em homenagem a icônicos designers italianos do Século 20. É uma mistura de moderno com rústico, com detalhes em madeira, chão com mosaicos e paredes envelhecidas – tem até um quarto com afrescos originais do Século XVI. É tudo muito cool e ao mesmo tempo super aconchegante… me senti em casa!

A localização também é perfeita, bem no centro histórico de Roma. O G-Rough fica na Piazza Pasquino, que fica ao lado da Piazza Navona e a um pulo do Pantheon. O legal é que, nos arredores, tem umas ruazinhas estreitas com ótimos restaurantes, lojinhas diferentes e gelaterias – o staff do hotel, que é super solícito, pode dar ótimas dicas (menos turísticas) e programar tours mais inconvencionais. Para quem tiver coragem de dirigir no trânsito caótico de Roma, dá até para alugar uma Vespa!

Cool, rústico, moderno e super aconchegante!

Outro lugar imperdível no hotel é o G-Bar, que tem uma decoração super descolada – e bomba, até o romanos vão ali no final da tarde para tomar o famoso aperitivo (ou happy hour, para nós). Ah, o café da manhã é também dos deuses: tem uma cozinheira que prepara o que você quiser, na hora!

Amei o G-Rough, é bem o tipo de hotel que eu gosto, sabem? Estou amando ficar nesses hotéis menores, com poucos quartos e mais descolados! Super recomendo 🙂

Piazza di Paquino 69, 00186 Roma

Preço: em média, 300 euros/diária (o preço varia conforme a época).

Beijos,

Luisa

19 abr 2017
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

1 2 3 7