Viagens, Lifestyle

Viagem para Cuba – Principais Dúvidas

dia1 (6 of 15)Havana:

Onde ficar: Na minha opinião, os hotéis em Havanas são caros e antigos, ou seja, não tem bom custo-benefício. O melhor lugar para se hospedar em Havana são as chamadas casas particulares, que são muito populares por lá: são casas de cubanos que alugam quartos para estrangeiros. Na minha opinião, é uma forma mais autêntica de conhecer a cidade e os cubanos, além de ser bem mais barato (em média de 30 CUCS por dia o quarto, enquanto os hotéis chegam até a 300 CUCS). Eu me hospedei na Casa de La Concordia, que na verdade é um tipo de pensão, já que os donos da casa não moram lá. Adorei a experiência! O meu quarto era extremamente limpo, com ar condicionado e banheiro próprio, o café da manhã era super gostoso e o pessoal da casa muito querido!

dia1 (7 of 15) dia1 (8 of 15)

Dinheiro: Em Cuba há duas moedas, uma para os cubanos e outra para os turistas, o CUC, que vale mais ou menos um euro. Sim, o ideal é levar euros e trocar em CUCS ao chegar no aeroporto, já que o dólar não é muito bem vindo por lá – eles cobram uma taxa a mais para trocar doláres por cucs, e você acaba perdendo dinheiro. Não há muitos lugares que aceitam cartão de crédito – na verdade, quase nenhum! – então é bom levar dinheiro mesmo.

Internet: Eu preciso da internet para trabalhar, então paguei o pacote internacional da VIVO de R$29,90 por dia e usei internet tranquilamente. Óbvio que não era uma internet muito boa, não dava para ver vídeos e abrir sites com muitas fotos, mas deu para fazer o básico: ver emails, falar no whatsapp e postar no instagram. Para quem não quer usar o serviço da operadora, existem alguns lugares em Havana com wifi – hotéis, praças – daí é só se informar, ir até o lugar mais próximo e comprar um cartão de internet, que custa entre 2 e 5 CUCS a hora.

Vôo: Eu fui para Havana de LATAM, fiz escala em Lima. Há também opções de vôo da COPA, que fazem escala no Panamá.

dia1 (2 of 4)

Visto: É preciso tirar um visto para ir para Cuba, e eu fiz com um despachante – custou uns R$300,00 e demora até 10 dias úteis para ficar pronto. Se você voar de Copa, dá para tirar o visto na hora do vôo!

O que levar? Não esqueça de levar uma nécessaire bem recheada – shampoo – condicionador, cremes, essas coisas existem sim por lá, mas não é tão fácil de achar e as marcas que conhecemos aqui são bem caras em Cuba!

Beijos.

Luisa

18 ago 2016
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Viagens, Lifestyle

Vlog – Viagem para Cuba

Quem me acompanha no Instagram (segue lá: @luisa.accorsi) sabe que passei uma semana em Cuba. A experiência foi incrível, e dividi tudo com vocês nesse vídeo:

Gente, na semana que vem eu posto detalhes sobre restaurantes, hospedagens, roteiro… Enfim, tudinho! Fiquem ligadas.

Beijos,

Lu

04 ago 2016
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!

Viagens, Lifestyle

Os erros mais comuns na hora de viajar

Passagem comprada, malas feitas… é só isso? Os viajantes “iniciantes” ou mesmo os mais experientes cometem erros na hora de viajar – talvez por conta da ansiedade ou, na maioria das vezes, pela simples falta de organização! Com o tempo, aprendi que um bom planejamento pré-viagem evita muitos perrengues, dores de cabeça e te fazem até economizar dinheiro. Listei alguns dos erros mais comuns cometidos na hora de viajar (já cometi váários deles!) e como evitá-los – afinal, ninguém quer saber de stress durante uma viagem, né?

passaporte

Grab your passport, and my hand…

1- Não ter passaporte/visto válido

Passaporte válido? Check! Porém, mesmo assim, não se esqueça: alguns países exigem um prazo de validade específico – para ir à Rússia, por exemplo, seu passaporte tem que estar válido até 6 meses depois da sua data de retorno. Destinos comuns como Itália, Espanha e França exigem validade “extra” de 3 meses. A mesma atenção vale para vistos! Além disso, preste atenção (com antecedência, claro) se o seu país de destino não exige um visto para entrada. Já ouvi falar de muita gente que descobriu isso no aeroporto…

2- Não deixar tempo suficiente entre os vôos

Eu moro em Londrina e, para viajar, geralmente tenho que pegar uma conexão para Guarulhos. Para não ficar “mofando” no aeroporto, já peguei vôos em cima da hora – achando que daria tempo, claro – e acabei perdendo (ou quase perdendo) o meu vôo internacional! Sim, é muito chato ficar muito tempo no aeroporto, mas é melhor do que correr o risco de perder o outro vôo, chegar suando no portão de embarque (#quemnunca) ou de ficar nervosa por conta de um atraso ou de um mau tempo. É aquela coisa, nunca se sabe!

3- Deixar de pesquisar os planos do seu celular

Atire a primeira pedra quem nunca esqueceu aquele bendito roaming internacional ligado em uma viagem e quase faleceu quando a conta de celular chegou no mês seguinte. Antes de viajar, não se esqueça de verificar e, se for o caso, ativar os planos de roaming com a sua operadora (várias oferecem um valor por dia por x dados) – caso você for usar muito sua internet, vale a pena comprar um chip (a.k.a sim card) pré-pago no seu destino e fazer seu snap sem medo, haha! Dica: o site Too Many Adapters dá várias dicas sobre o assunto e informa qual é a melhor operadora e planos dependendo do país – mas é em inglês!

4- Colocar muitas coisas na mala

Todo mundo tirava sarro de mim aqui em casa porque, a cada viagem, eu levava tanta coisa que parecia que eu ia fazer um intercâmbio, haha! Hoje em dia, valorizo muito o tempo que eu ganho quando levo só mala de mão, sabem? Claro que em uma viagem internacional é difícil, mas até quando vou para um fashion week aprendi – na marra – a organizar uma mala mais funcional! No fim, quando levamos muita coisa não acabamos usando nem a metade, né? Para quem se interessar, já fiz um vídeo bem útil de como arrumar a mala 🙂

5- Não olhar a previsão do tempo

Pra quem acha que a previsão do tempo do celular é suficiente, já errei feio com a previsão do Iphone! O clima está tão imprevisível que o negócio é entrar em sites bons (gosto do Weather Channel e do Weather Network) e ficar bem atento ao clima dos próximos dias no seu destino. Não é só porque é primavera que não pode fazer um frio de 5 graus do dia para a noite, né? Outra dica para escolher bem os looks é pesquisar seu destino no filtro “Locais” do Instagram e ver como as pessoas estão se vestindo no seu destino!

6- Não avisar seu banco que está indo viajar

Ops… já fiz isso várias vezes! Muita gente prefere usar dinheiro a cartão durante uma viagem internacional, mas sempre pode aparecer uma emergência e o ideal é que você sempre notifique seu banco antes de partir. Caso você esqueça, eles podem considerar sua compra suspeita e bloquear seu cartão – nada legal, né?

7- Trocar o dinheiro no aeroporto

O câmbio nos aeroportos geralmente não é nada favorável para compra de moedas estrangeiras – o melhor mesmo é se programar antes! Em tempos de R$ desvalorizado, o melhor mesmo é ficar de olho no câmbio e não deixar para trocar todo o seu dinheiro em cima da hora.

8- Não prestar atenção na localização do hotel

Achou um hotel super baratinho? Ótimo, mas não se deixe levar tanto pelo preço e nunca se esqueça de dar uma pesquisada na localização – muitas vezes, hoteis com preços bons demais ficam em regiões afastadas e talvez você terá que gastar mais para se locomover. Às vezes vale mais a pena gastar um pouquinho mais em um hotel super bem localizado!

9- Planejar demais

Sempre aprendi com a minha mãe que querer visitar muitos países/cidades/todos os pontos turísticos em muito pouco tempo nunca vale muito a pena! Isso porque normalmente o tempo que você vai ter em cada local vai ser curto, sem contar que a viagem muitas vezes pode se tornar cansativa. Não fique com pressa de fazer tudo e lembre-se que não conhecer tudo pode ser uma “desculpa” para ter que voltar depois!

10- Não pesquisar os costumes locais

Para não correr o risco de pagar mico ou ser impedida de entrar em algum local, faça uma pesquisa sobre os costumes do seu local de destino antes da viagem – na Índia, por exemplo, não é aconselhável às mulheres andarem na rua de ombros e joelhos de fora. Se você for visitar templos ou igrejas, por exemplo, a dica é levar sempre um lenço na bolsa!

 

Gostaram das dicas?

Beijos,

Luisa

13 jul 2016
Comente
Compartilhe

Me siga no Instagram: @luisa.accorsi

Vietnam, Viagens, Lifestyle

Hoi An, Vietnã – Passeios, Restaurantes, Dicas, O que fazer

Hoi An

Totalmente preservada durante a guerra, Hoi An é uma cidade portuária reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade. O centro histórico é fechado para carros e suas ruas de paralelêpidos ficam lotadas, principalmente a noite. A cidade tem influência japonesa, chinesa, francesa e até portuguesa e é conhecida pelas lanternas espalhadas por toda a parte. Tem várias casas, templos e outras construções como a Ponte Japonesa que podem ser visitadas mediante o pagamento de uma taxa de 5 dólares comprada no Ticket Office.

Hoi An Hoi An DSC03106

Hoi An também é super famosa pelos alfaiates que transformam tecidos em roupas em um dia! Fiz um vestido na Sum, que ficou ótimo. A Yaly é a loja mais famosa,  tem sedas lindas e a costura é impecável – eu e minha mãe mandamos fazer um pijama de seda lindo! Você escolhe o tecido, o modelo, eles tiram as medidas, marcam o horário da prova e ainda entregam no hotel, serviço super vip!!

DSC03008 DSC03010

O centrinho é cheio de lojinhas que vendem as famosas lanternas, roupas, pijamas de seda, misturados com produtos made in China. A Mitiseko se destaca por ter roupas, lenços e almofadas feitas seda de excelente qualidade e com padronagem exclusiva.  São váris as galerias de artistas da cidade como a Ha Duong, onde comprei uma gravura linda para o meu quarto. A cidade também é conhecida por sua culinária e tem vários restaurantes deliciosos como o Morning Glory, que amamos tanto que fomos dois dias seguidos! Tem também cafés super cool como Hoi An Roastery e o CoCoBox que servem o famoso café gelado com leite condensado – até eu que não gosto de café fiquei apaixonada.

Hoi An Hoi An

Para conhecer melhor a culinária local, fizemos uma aula de culinária na Vy’s Market Cooking School. A aula começa com um passeio na feira, local preferido para compras em todo o Vietnam. Eles tem pouquíssimos supermercados e dizem que preferem comprar nas feiras, porque os produtos são bem mais frescos.  Depois voltamos para o Vy’s market que é uma espécie de food court com os principais pratos do Vietnam, todos feitos na hora. Foi muito legal poder experimentar vários pratos diferentes e depois aprender a fazer alguns!!

DSC03096 DSC03091 Hoi An

Outro passeio bacana é conhecer a área rural em volta da cidade. Existem várias empresas que fazem esses passeios, mas resolvemos ousar e pegamos um tour  “alternativo” o Hoi An Free Tour. O objetivo principal é ajudar a comunidade local. São jovens universitários que tem como objetivo treinar o inglês e mostrar a realidade da comunidade rural.  Conhecemos a vila de Kim Bong, pegamos as bicicletas no hotel e passeamos a manhã toda visitando os locais – até os famosos “Rice papers” nós aprendemos fazer!

DSC03039 DSC03034 DSC03025

Ficamos no Anantara Hoi An Resort e adoramos, é super bem localizado, os quartos são ótimos e o restaurante é uma delícia. Vou até fazer um post falando especificamente sobre o hotel, ok? Uma outra opção bem bacana de hospedagem é o The Nam Hai. O hotel fica há 15 minutos de carro do centro da cidade, mas em compensação fica na beira da prais. Os quartos são lindos, tipo bangalôs de 1 a 3 quartos e alguns com piscina – é perfeito para lua de mel, super exclusivo e romântico. Fomos convidadas a conhecer o hotel e passamos a tarde na piscina que é linda!! Adoramos jantar no Beach Restaurant com vista para o mar e cozinha excelente!! Ah, e o Spa é um show a parte !!

DSC03047
Hoi An DSC03056 DSC03055 DSC03059
Hoi An é uma cidade encantadora, quem for ao Vietnã tem que ir! Esse é o vlog que gravei por lá:

Beijos,
Luisa

10 maio 2016
Comente
Compartilhe

Me acompanhe no YouTube!