Slider

Livros, Cultura

Dica de Leitura – No teu deserto

Eu li “No teu Deserto”, do escritor português Miguel Souza Tavares, já há algum tempo, e ontem, como estava à toa em casa, decidi relê-lo. Esse “quase romance”, que tem apenas 128 páginas, conta a história de um homem e uma mulher – ele, como 36 anos, ela, com 21 – que não se conhecem e, por acaso, partem juntos para uma viagem de 40 dias no deserto do Sahara. O ano é 1986 e a travessia do deserto é um mergulho em um mundo totalmente desconhecido, assim como a viagem à alma um do outro também o é. Ao fim da jornada, os dois se separam e nunca mais voltam a se ver. Depois de vinte anos, a história daquela viagem volta a ser contada, em forma de cartas nunca enviadas.

O livro é simples, absurdamente simples – sem mistério ou tramas mirabolantes – e é exatamente nessa simplicidade que reside todo o encanto. A maneira como as personagens relatam a viagem, suas impressões um do outro, o sentimento que passa a existir entre eles – tudo é muito intimista, sincero e surpreendentemente real. Ao ler o livro, você também se sente fazendo a travessia das personagens – tanto a real como a metafórica -, sente suas dores e alegrias. É uma história muito bonita, uma grande homenagem ao companheirismo e à amizade e um testemunho de como certas pessoas nunca são esquecidas. Como quem ler vai perceber desde a primeira frase, o livro é totalmente nostálgico, mas é uma nostalgia que só quem viveu muito intensamente é capaz de sentir e, por isso, não é um sentimento triste. Apesar de ter chorado baldes d’água, o livro me deixou com uma sensação boa e cheia de vontade de viver uma aventura. Quem topa? Haha!

-R$34,00 na Saraiva

Agora, algumas frases do livro – que eu sei que vocês amam!!

Vou parar por aqui, se não reescrevo o livro todo! Alguém já leu? Quem não leu ficou com vontade?

Beijinhos,

Luisa

07 ago 2011
Comente
Compartilhe

Comportamento, Livros, Bem Estar, Cultura

What’s in your bag? + dica de Livro

Oi, meninas! Finalmente decidi postar essa tag, a famosa “What’s in your bag?”, que muitas leitoras pediram para ter aqui no blog! Nessa tag, a gente vai colocar nosso lado curioso para funcionar a vamos descobrir o que meninas diferentes carregam em suas bolsas. Achei essa tag muito interessante porque a gente descobre várias diquinhas legais fuçando na bolsa alheia, não é verdade? A bolsa que eu vou mostrar para vocês hoje é da minha amiga Maria Luiza Jabur, que veio aqui em casa ajudar a filmar os meus vídeos com a Deborah… vamos ver whats in her bag?

Começando com a bolsa, uma linda Chanel inspired da AC Brazil (site aqui!), que tem um tamanho médio, e é perfeita para ser usada tanto no dia-a-dia como à noite!

1. Livro: Só Garotos – Patti Smith (A Maria Luiza adora ler e sempre carrega um livro com ela… ela me disse que esse livro é incrível, então no final do post tem uma resenha dele, ok?)

2. Óculos – Oliver People

3. Bolsinha de maquiagem

4.  Cardigan de Animal Print H&M

5. Carteira Prada

6. Blackberry

1. Kiehl’s – Lip Balm SPF 15 (protetor labial com filtro solar recomendado por sua dermatologista, ela disse que é muuuito bom!)

2. Rímel MAC – Studio Fix Lash

3. Píncel de Blush

4. Pó Shiseido – Sun Protection SPF 35

5. Corretivo MAC – Studio Finish Concealer NC30

6. Blush MAC – Coppertone (matte)

———————————————————————-

Como a Maria Luiza me falou que o livro “Só Garotos”, a autobriografia da cantora Patti Smith – conhecida como “poetisa punk” e os dos maiores nomes do Rock’n’Roll – é simplesmente incrível, resolvi indicá-lo como Dica de Leitura, e coloquei parte de uma resenha que li no blog Meia Palavra, que eu achei que contou bastante da essência do livro:

Muito embora em Só Garotos Patti Smith justifique a obra como uma promessa que fizera à Robert Mapplethorpe, de escrever a história de suas vidas, a verdade é que o livro vai muito além de uma simples biografia e mostra um retrato perfeito do que é se comprometer com a arte, viver por isso. De como quem está nesse mundo respira influências e transforma o contato com cada pessoa que cruza seu caminho em um poema, uma canção, uma fotografia, um quadro.

Quem quiser ler a resenha inteira, que é muito legal, é só clicar aqui. E, para terminar, uma frase de Patti Smith tirada do seu livro:

“Nós nos víamos como os Filhos da Liberdade com uma missão de preservar, proteger e projetar o espírito revolucionário do rock and roll. Temíamos que a música que sempre nos sustentara estivesse correndo o risco de subnutrição espiritual. Temíamos que perdesse seu propósito, temíamos que caísse em mãos agurguesadas, temíamos que patinasse no lodo do espetáculo, das finanças e da complexidade técnica insossa. Vinha-se nos lembrança da imagem de Paul Revere, cavalgando pela noite americana, acordando pessoas, incitando a que pegassem em armas. Nós também pegaríamos em armas, as armas da nossa geração, a guitarra elétrica e o microfone”.

Incrível, não? Fiquei louca para ler!! Gostaram da dica e da nova tag?

Beijos,

Luisa

 

25 jun 2011
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Leitura – “A Sombra do Vento”

Oi, gente! A dica de hoje é o livro “A Sombra do Vento”, do espanhol Carlos Ruiz Rafón, que é um livro extraordinário, cheio de romance, mistério e drama – tudo que nós amamos, né?! Haha! A trama de “A sombra do Vento” é bem complexa – não no sentido de ser difícil de ler ou entender, pelo contrário, o livro flui muito bem, mas no sentido da história ter vários personagens, muitas histórias paralelas, e a maneira como o autor junta tudo isso e dá profundidade a todos esses personagens é o que faz o livro ser tão especial. Mesmo sendo difícil resumir a história aqui, vou tentar contar o “básico” para vocês:

No seu aniversário de 11 anos, Daniel é levado pelo seu pai, dono de um sebo da cidade de Barcelona, ao “Cemitério dos Livros Esquecidos”, que é um local quase sagrado para os amantes da literatura, para escolher um livro. Por acaso, ele escolhe o livro “A Sombra do Vento” de Julián Carax, um escritor desconhecido. O livro exerce um fascínio tão grande no menino, que a partir daí vamos acompanhar os dez anos da busca de Daniel pelo autor do livro, busca essa que o levará a trilhar caminhos sombrios, e adentrar em um mundo cheio de mistério, romance, mentiras, intrigas e perseguições.

Vou parar por aqui se não vou falar demais, ok? A verdade é que o livro é muuito bom mesmo, do tipo não-tem-como-não-gostar. Alguém já leu? E quem for ler me fala depois se gostou, ok? Tem a versão para dowload aqui!

Beijinhos,

Luisa

*Fiz umas montagens com imagens bonitas e frases do livro que eu amei, espero que gostem!

15 jun 2011
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de leitura – Caim e Abel

Oi, meninas! Esses dias, eu estava conversando com uma amiga minha sobre livros e eu me lembrei de um livro muito bom, que eu já li faz um tempão, mas que – de certa forma – mudou minha vida! Isso porque, antes de ler “Caim e Abel”, eu preferia livros que tinham uma mulher como protagonista – acho que por questão de identificação mesmo, quando somos mais novos temos uma mania de querermos “nos ver” em tudo, não é verdade? Pelo menos eu era assim! Haha!  Mas, depois dessa leitura, percebi que isso é a maior burrice do mundo e que o que importa mesmo em um livro é se a história é bem contada. E posso garantir que essa constatação abriu muitas novas portas para mim!

Bom, agora vamos ao livro! Apesar de remeter à tragédia bíblica, “Caim e Abel”, de Jeffrey Archer, não tem conteúdo religioso. O livro, que já vendeu mais de 10 milhões de exemplares, mostra a trajetória de dois homens muito diferentes – um polonês de origem humilde, que nasceu no meio da Guerra, e um americano muito rico, herdeiro de um imenso império financeiro – mas igualmente brilhantes, que se tornam inimigos ao longo da vida. Ao contar a história dos dois, o autor aborda as transformações políticas, sociais e culturais do século XX e ainda mostra como a vingança pode ser destrutiva. Eu amei o livro porque ele é de leitura fácil, ágil, instigante, daqueles que prendem nossa atenção e que lemos num piscar de olhos! E o melhor de tudo: nesse livro, não há mocinhos nem bandidos, os antagonistas mudam de papel a cada página e não tem como escolher um preferido, eu acabava sempre torcendo para os dois! Recomendo muito esse livro, que, inclusive, é um ótimo presente para o dia dos namorados. Juro, todos os meninos que eu conheço que leram esse livro – e muitos que nem tem o hábito de ler muito – amaram “Caim e Abel”! #ficadica

Gostaram da dica de leitura de hoje? Alguém já leu esse livro?

Beijinhos,

Luisa

28 Maio 2011
Comente
Compartilhe
1 4 5 6