Slider

Filmes, Livros, Cultura

Harry Potter and the Cursed Child

Só de ouvir o nome Harry Potter em qualquer lugar já me dá arrepio! J. K. Rowling, em parceria com Jack Thorne e John Tiffany, lançará a transcrição do roteiro da peça (que vai estreiar em Londres no verão) que dá continuação à história magnífica desse mundo de bruxaria em forma de livro! Segundo a sinopse, a história gira em torno do filho de Harry Potter, que sofre com o legado da família e tenta entender o passado, ao mesmo tempo em que passa por várias descobertas. Ainda não se tem muitas informações, mas só de saber que essa saga vai continuar me dá um friozinho na barriga!

1920x1080 Wallpaper

“Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é muito mais fácil agora que ele é um empregado sobrecarregado do Ministério da Magia, um marido e pai de três filhos em idade escolar. Enquanto Harry lida com um passado que se recusa a ficar onde ele pertence, seu filho mais novo, Albus, deve lutar com o peso de um legado familiar que ele nunca quis. Com o passado e o presente em conflito, ambos, pai e filho, devem aprender a verdade desconfortável: algumas vezes, a escuridão vem dos lugares mais inesperados.”

PHiJXYCN2JAMmr_1_l

O ano de 2016 promete ainda mais emoções para os pottermaníacos! O filme Animais Fantásticos e Onde Habitam, que fala sobre esse universo mágico, estreia dia 17 de novembro.

Ansiosos?

Beijos,

Lu

16 fev 2016
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Leitura: Não sou uma dessas

Essa é uma dica de livro diferente das que eu costumo postar aqui no blog! “Não sou uma dessas: uma garota conta tudo o que ‘aprendeu'” (Em inglês, Not that kind of girl: a young woman tells you what she’s “learned”) é o primeiro livro de Lena Dunham, escritora, diretora, atriz, produtora (ufa!) da série Girls, da HBO – e chamada de “a voz da geração”!

notthatkind

No livro, ela descreve uma série de momentos da sua vida, inclusive alguns bem dolorosos e vergonhosos: os anos da sua bizarra pré-adolescência, como é estar acima do peso apesar de só comer coisas saudáveis, se apaixonar, sua antiga atração por “bad boys”, ter que se impor em uma sala cheia de homens com o dobro da sua idade…

Lena revela suas opiniões sobre o amor, solidão, carreira, sexo e feminismo de uma forma engraçada, pessoal, inteligente e mais sincera possível – algumas vezes, a sinceridade é de chocar! Segundo a própria autora, “Not that kind of girl” é um balanço das escolhas (algumas não tão boas) que a conduziram à vida adulta. Segundo a crítica do The New York Times, “Não é a franqueza de Lena que arrebata, mas sim sua escrita, repleta de surpresas onde menos se espera. Um livro interessante e subversivo.”

Eu gostei e me diverti muito, mas acho que o livro não é pra todo mundo! É melhor assistir um pouco a série antes de ler para se acostumar com o estilo da autora – ela não segura nada, mesmo! Haha! Eu li em inglês, mas “Não sou uma dessas” vai ser lançado no Brasil no próximo dia 10. Quem vai querer ler?

lena

Beijos,

Luisa

04 nov 2014
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de leitura: O sal da vida, de Françoise Héritier

o-sal-da-vida

Explorar uma cidade desconhecida, sentir frio na barriga, nadar à noite, risadas descontroladas, papos furados por horas ao telefone, experimentar sapatos,  correr debaixo de uma chuva quente, dormir até o sono acabar, empanturrar-se de morangos, caminhar de mãos dadas, relembrar recordações já enterradas (Meu Deus! É verdade!), pedir um prato às cegas em outro país, viver uma aventura… São essas pequenas epifanias, essas sensações, o que dá propósito à vida. “O mundo existe por meio dos nossos sentidos, antes de existir de maneira ordenada no nosso pensamento, e temos de fazer de tudo para conservar, ao longo da vida, essa faculdade criadora dos sentidos: ver, ouvir, observar, entender, tocar, admirar, acariciar, sentir, cheiras, saborear, ter “gosto” por tudo, por todos, pelos próximo, enfim, pela VIDA“.

o-sal-da-vida-2

Aos 80 anos, a renomada antropóloga francesa Françoise Héritier recebe um cartão postal de um velho amigo e, a partir dai, começa uma reflexão sobre a felicidade. Ela chega a conclusão de que o trabalho e nossas obrigações diárias nos roubam da própria vida, e que o que é importante, aquilo que dá sentido à vida, o “sal da vida”, são momentos, pequenas coisas que nos fazem felizes: “Existe, sim, uma forma de leveza e de graça no simples fato de existir, que vai além das ocupações profissionais, além dos sentimentos poderosos, além dos engajamentos políticos e de todos os gêneros, e foi unicamente sobre isso que eu quis falar. Sobre esse pequeno plus que nos é dado a todos: o sal da vida”.

o-sal-da-vida-3

O livro não é uma história com começo meio e fim, mas sim um fluxo de consciência, com frases soltas e sem obedecer qualquer lógica, uma lista de tudo aquilo que, segundo a autora, adiciona um pouco de graça à vida. Eu amei a leitura, me deu uma sensação muito boa e uma vontade de prestar mais atenção nas pequenas alegrias do dia-a-dia, e até a ser muito mais grata a minha vida. Acho que, às vezes, na correria do dia-a-dia, esquecemos de valorizar certos momentos bons, acabamos nos concentrando só nos ruins, sabe? Enfim, esse pequeno livro é uma ode à vida e ao simples fato de existirmos, um convite para percebermos o quanto somos abençoados. Vale a pena ler!

Beijos,

Luisa

05 ago 2014
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Livro – Cadê Você, Bernadette?

Acho que vocês já perceberam o quanto eu amo ler. Quando viajo, leio pelo menos um livro – é o melhor companheiro para maratona de aeroportos e aviões -, e o dessa vez li “Cada você, Bernadette“, de Maria Semple:

“Bernadette Fox é notável. Aos olhos de seu marido, guru tecnológico da Microsoft e rock star do mundo nerd, ela se torna mais maníaca a cada dia; para as demais mães da Galer Street, escola liberal frequentada pela elite de Seattle, ela só causa desgosto; os especialistas em design ainda a consideram uma gênia da arquitetura sustentável, e Bee, sua filha de quinze anos, acha que tem a melhor mãe do mundo. Até que Bernadette desaparece do mapa. Tudo começa quando Bee mostra seu boletim (impecável) e reivindica a prometida recompensa: uma viagem de família à Antártida. Mas Bernadette tem tal ojeriza a Seattle – e às pessoas em geral – que evita ao máximo sair de casa, e contratou uma assistente virtual na Índia para realizar suas tarefas mais básicas. Uma viagem ao extremo sul do planeta é uma perspectiva um tanto problemática. Para encontrar sua mãe, Bee compila e-mails, documentos oficiais e correspondências secretas, buscando entender quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem e o motivo de seu desaparecimento. Maria Semple revela, em seu segundo romance, a influência de grandes escritores contemporâneos como Jonathan Franzen e Jeffrey Eugenides, ao mesmo tempo que se afirma como uma voz original, marcada pelo melhor humor das séries de TV norte-americanas. Sem sentimentalismos, mas com muita empatia, Cadê você, Bernadette? trata do amor incondicional de uma filha por sua mãe imperfeita.”

O livro não é aqueles que te prendem desde o começo, mas é uma história cativante, delicada e diferente, já que os personagens não são nada convencionais. É impossível não gostar de Bernadette, com sua personalidade caótica e instável. É um livro leve, divertido, perfeito para as férias!

A sapatilha de oncinha, que eu amo usar no dia-a-dia, é da coleção Tutu Sapatilhas by Fashion Sul, e foi desenhada por mim <3 Muito fofa, né?! Vende online aqui!

Beijos,

22 nov 2013
Comente
Compartilhe