Slider

Cultura

Dica de Livro: Game of Thrones

large2

Finalmente resolvi comprar o livro de Game of Thrones e estou amando! A história não é muito diferente da série, alguns diálogos são exatamente iguais (até reassisti os primeiros episódios para comparar) adoro quando a adaptação para a tv é fiel ao livro! Porém tem muitos personagens que aparecem rapidamente na série e tem certa importância nos livros, nada que mude o enredo, porém torna a história mais intensa e longa. Estou sempre tendo que dar um google na árvore genealógica das grandes casas (principalmente Targaryen e Stark) para as coisas fazerem sentido, pois várias vezes eles citam personagens que morreram muito antes do momento da história que estamos lendo.

Outro detalhe é a idade dos personagens, Daenarys Targaryen tem apenas 13 anos! Dá pra acreditar que ela é entregue ao Khal Drogo (que é descrito no livro igualzinho ao ator Jason Momoa) com apenas 13 anos? Os Starks são todos mais jovens também, Rickon (que mal aparece na série) tem 3 anos, John 14 e Robb 16.

Uma diferença brutal é que você compreende muito melhor o que se passou antes de Robert Baratheon assumir o trono, a morte do Rei Louco e toda a história de Westeros quando o poder estava na família Targaryen. A extinção dos dragões e a destruição de Valíria são histórias muito antigas e muito interssantes que nos ajudam a entender o desenvolvimento da história.

Vale muito a pena separar um tempinho para ler Game of Thrones, cada vez mais vejo que George R. R. Martin é um gênio sem coração que insiste em matar meus personagens preferidos hahaha e mesmo assim me deixa cada vez mais ansiosa para saber o que acontece.

Beijos,

Luisa

04 jan 2016
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Leitura: Brain on Fire

DSC09687

Me interessei de cara pelo livro “Brain on Fire: My Month of Madness” (no Brasil, foi traduzido como “Insana: Meu Mês de Loucura”, pela Belas Letras), que é uma biografia da jornalista Susannah Cahalan descrita pelo New York Times como “Cativante… A prosa de Susannah é afiada e não mostra pudores em esconder a verdade.”

No livro, baseado no artigo “Um mês de loucura”, também escrito por ela e que ganhou vários prêmios, a jovem e promissora repórter investigativa do jornal New York Post relata com detalhes o seu esforço para recuperar sua identidade depois da sua vida parecer desmoronar. Tudo começou com as mudanças de personalidade: ela fica obcecada e preocupada com pequenas coisas, tem ataques de ciúmes e atitudes infantis, crises de choro, até que começa a sofrer alucinações, ataques de paranoia e surtos. A partir daí, Susannah é internada e uma sucessão de erros de diagnóstico acompanham sua estadia no hospital – nenhum médico parece descobrir o que ela tem e seu estado saúde piora a cada dia. De uma jornalista bem sucedida que se dedicava a fundo no trabalho e dependia de sua criatividade, ela vira uma mulher dependente de seus pais e namorado, presa no andar de monitoramento 24 horas do hospital NYU, sem quase nenhum traço da pessoa que era antes.

DSC09689

Sei que muita gente está pensando no seriado “House” (que eu amo!) e, realmente, o livro poderia ser uma temporada inteira da série, mas o que mais me impressionou na narrativa de Susannah foi sua coragem de expor sua história sob o seu próprio ponto de vista e de forma tão crua e verdadeira. É muito interessante é observar seu talento jornalístico, já que ela pouco se lembra do seu “mês de loucura” e recorreu a relatos de seus pais, filmagens do tempo que ficou no hospital e seus próprios rascunhos para escrever o livro. A escritora também levanta questões importantes como o desconhecimento de algumas doenças mentais no meio médico e tratamentos inadequados  – ela, inclusive, dedica seu livro à pessoas sem diagnóstico.

Apesar da utilização de vários termos técnicos, ela escreveu para leigos e a leitura não é nada cansativa – pelo contrário, ela nos faz entender tudo o que passou por conta de sua escrita inteligente e envolvente. Enfim gente, é impossível não se encantar pela história de superação e não admirar e torcer por Susannah em seu lento caminho até a recuperação. Acho que esse é um livro que todos deveriam ler! Para quem ama cinema, a biografia será adaptada para as telonas e terá a atriz Chloe Grace Moretz no papel principal.

DSC09688

Beijos,

Luisa

15 out 2015
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Leitura: Lugares Escuros

Oi, gente! Comprei e li o livro Lugares Escuros, da escritora Gillian Flynn nos Estados Unidos e só estava esperando o lançamento aqui no Brasil, que aconteceu no mês passado, para dar a dica. A autora ficou mais conhecida com o sucesso do “Garota Exemplar” (já postei a resenha no blog, confiram!), que eu amei e me deu o impulso para ler outros livros dela  – me encantei com o modo com que a Gillian explora o psicológico de seus personagens e vocês sabem que eu amo um livro de mistério, né?

DSC03171

Bom, não me decepcionei! “Lugares Escuros” segue a linha de mistério/suspense, que é o estilo da autora, e também conta com uma protagonista nada perfeita. Libby Day tinha apenas 7 anos quando presenciou uma tragédia: o brutal assassinato de sua mãe e duas irmãs. Ela sobrevive e, mais tarde, se torna uma adulta problemática e traumatizada, e seu irmão mais velho, Ben, o suposto assassino, continua na prisão, depois de ser acusado pela própria irmã. No entanto, depois de ser contactada pelo “Kill Club”, uma sociedade secreta obcecada em solucionar crimes, Libby passa a desconfiar de seu próprio depoimento e vai em busca do que realmente aconteceu naquela noite.

O mais legal é que, a la “Garota Exemplar”, o ponto de vista e o tempo da história muda em alguns pontos e vai, inclusive, até a noite do crime, quando os acontecimentos são contados ora pela própria Libby, ou por sua mãe e o irmão Ben, de 15 anos. Se prepare, você será enganado a cada página e, por isso mesmo, a leitura te prende totalmente – quando eu percebi, eu estava totalmente envolvida no mistério (e claro, não conseguia largar o livro), que é bastante chocante e perturbador. Destaque na “heroína” Libby, que é cheia de defeitos e até bem detestável – mas, na minha opinião, é isso que a torna super interessante! É incrível como a autora nos faz torcer por ela do início ao fim.

Para quem não sabe, “Lugares Escuros” virou um filme estrelado pela Charlize Theron e já está em cartaz em alguns cinemas brasileiros! Confiram o trailer:

Se interessaram? Ah, sempre recomendo ler o livro antes, gente! Haha!

Beijos,

Luisa

01 jul 2015
Comente
Compartilhe

Livros, Cultura

Dica de Leitura: Boneco de Neve

Oi, gente! Estavam com saudades das dicas de leitura do blog? Minha irmã comprou o livro “Boneco de Neve”, do escritor norueguês Jo Nesbø, quando fomos viajar e amou – eu, claro, fiquei super interessada! Terminei de ler essa semana e tive que dar essa dica aqui no blog: foi um dos melhores livros de mistério/suspense que eu já li!

boneco-de-neve-2

Comparado ao “Silêncio dos Inocentes”, do escritor Thomas Harris, “Boneco de Neve” é um thriller psicológico que tem como protagonista Harry Hole, um inspetor viciado em trabalho e com vários dramas pessoais. Quando cai a primeira neve do ano e mães de família começam a desaparecer misteriosamente – com uma única pista, um boneco de neve no jardim – o investigador é chamado para solucionar o que parece ser o primeiro caso de serial killer da Noruega. É uma trama frenética, envolvente (sério, eu não conseguia parar de ler!), cheia de reviravoltas, com personagens complexos e super interessantes – destaque para Harry Hole e Katrine Bratt, a parceira do detetive – e um mistério macabro e nada simples. Escrito em terceira pessoa, o livro descreve com detalhes os pensamentos dos personagens e os acontecimentos – a narrativa é bem crua, chega até a dar medo!

Depois que terminei de ler, fui pesquisar mais sobre o autor e descobri que “Boneco de Neve” faz parte de uma série de 10 livros (no Brasil, 6 já foram lançados, a partir do terceiro) que contam com Harry Hole como protagonista. Eu não tive problema nenhum em entender a história, sem problemas se vocês não leram os outros livros – como eu disse, a narrativa é bem descritiva e eu não fiquei “viajando”, sabem? – eu só fiquei com mais vontade de ler os outros…

Beijos,

Luisa

24 fev 2015
Comente
Compartilhe